sábado, 17 de março de 2018

19 DE MARÇO: ANIVERSÁRIO DO LICEU ESCOLA MESTRE RAIMUNDO CARDOSO


Homenagem ao Mestre Raimundo Cardoso
Da esquerda para a direita: Läis Aderne, Therezinha Gueiros e Mestre Raimundo Cardoso
Foto: Acervo do Liceu Escola (2005)
         Na próxima segunda-feira, 19 de março, o Liceu Escola de Artes e Ofícios "Mestre Raimundo Cardoso" comemorará 22 anos de bons serviços prestados à comunidade icoaraciense.
Projetado sob a consultoria da Mestra em Arte-Educação e Sociedade Laïs Fontoura Aderne, iniciou suas atividades em 19 de março de 1996, na gestão da Secretária Municipal de Educação Therezinha Moraes Gueiros, e foi inaugurado oficialmente pelo Prefeito Municipal de Belém, Hélio da Mota Gueiros, em 31 de dezembro do mesmo ano.
Regulamentado pelo Decreto N° 29.205/96, da Prefeitura Municipal de Belém, de 13 de setembro de 1996, integra o projeto “Sistema de Educação para um Desenvolvimento Sustentável” da Rede Municipal de Ensino de Belém.
O nome da escola é uma homenagem ao Mestre Raimundo Saraiva Cardoso, nascido em Vigia (PA) no dia 29 de julho de 1930 e falecido em Belém (PA) em 2007, herdeiro das técnicas da arte ceramista de sua mãe, descendente direta dos Aruã, último povo marajoara.
Autodidata, Mestre Cardoso interessou-se pela cerâmica indígena da Amazônia, pesquisou em bibliotecas e no Museu Paraense Emílio Göeldi onde teve a oportunidade de estudar a cerâmica arqueológica diretamente na fonte. Em busca de aprimoramento de técnicas, adentrou a floresta para coletar sementes, raízes e pigmentos, com os quais experimentou a elaboração de corantes e antiplásticos, que usou com maestria em sua produção. Suas réplicas e recriações das cerâmicas: marajoara e tapajônica, de perfeição e beleza incomparáveis, ganharam o mundo, tornando-o reconhecido nacional e internacionalmente.
Atualmente, o Liceu Escola está sob a direção de Fernanda Raquel Pereira de Sousa.
Fonte: liceudeicoaraci.blogspot.com
Edição: Prof. José Carlos Oliveira (Sala de Informática Educativa).

domingo, 11 de março de 2018

Projeto Jornal Escolar

JUSTIFICATIVA

Pessoas que não são leitoras têm a vida restrita à comunicação oral e dificilmente ampliam seus horizontes, por ter contato apenas com ideias próximas das suas, nas conversas com amigos. São os livros, revistas, jornais e outros suportes, como a internet, que oportunizam o contato com o desconhecido, com outras épocas e outros lugares e, assim, abrem janelas para o mundo, “abrem a cabeça”. Por isso, incentivar a formação de leitores e escritores é tão fundamental no mundo globalizado em que vivemos, é trabalhar pela sustentabilidade do planeta, garantir a convivência pacífica entre todos e o respeito à diversidade, no caminho de uma nova cidadania exigida por um mundo em permanente mudança nas suas escritas, e cada vez mais exigente quanto à qualidade da leitura. 
A função de um texto é levar uma mensagem ao leitor, estabelecer uma comunicação com ele. Por isso, quem vai redigir utiliza a forma de redação mais adequada para traduzir os conteúdos que deseja transmitir. Mas, assim como o autor, o leitor também tem suas intenções ao ler o texto. Portanto, ao usar uma determinada forma de redação o escritor está procurando harmonizar os seus interesses aos do leitor, está utilizando a estrutura que melhor traduza esse duplo interesse. Assim, para se formar leitores e escritores competentes é necessário um amplo contato com os diferentes gêneros textuais. E o espaço privilegiado para esse contato é a escola, onde se dá o encontro decisivo entre a criança/adolescente e a leitura/escrita em todas as áreas do conhecimento.
Neste sentido, entre os objetivos do projeto Jornal Escolar está o de oportunizar esse contato com os diferentes gêneros textuais, numa realidade palpável, deslocando o foco do conteúdo curricular abstrato, no intuito de que a prática escolar passe a focalizar as situações reais da vida cotidiana e o professor tenha oportunidades imperdíveis de transpor os objetivos meramente intelectuais e investir na alfabetização emocional, relacionamento humano, ética, cidadania, educação de valores e tantos outros aspectos necessários para educação integral, centrada no ser e na realidade, principalmente no debate dos problemas socioambientais, que estão bem próximos da nossa escola e da nossa comunidade, e que são tratados pela disciplina Educação Ambiental, parceira deste projeto.
Sobre a importância de jornais e revistas como mediadores entre a escola e o mundo, Faria diz que:

“O jornal é também uma fonte primária de informação, espelha muitos valores e se torna assim um instrumento importante para o leitor se situar e se inserir na vida social e profissional. Como apresenta um conjunto dos mais variados conteúdos, preenche plenamente seu papel de objeto de comunicação. Mas não só, pois como o pontos de vista costumam ser diferentes e mesmo conflitantes, ele leva o aluno a conhecer diferentes posturas ideológicas frente a um fato, a tomar posições fundamentadas e a aprender a respeitar os diferentes pontos de vista, necessários ao pluralismo numa sociedade democrática”. (FARIA, 2009, p. 11).

Reconhecendo essa importância do jornal, o Liceu Escola Mestre Raimundo Cardoso já faz uso do jornal como metodologia para promover oportunidades de informação, educação e comunicação para crianças e adolescentes desde maio de 2009, quando foi publicado o Jornal do Paracuri, criado e editado pelos alunos com o software Writer, a partir de uma atividade do Curso Mídias na Educação (realizado na plataforma Proinfo do MEC), elaborada pelos professores-cursistas José Carlos Oliveira e Elizabeth Torres. E, nos anos seguintes, outros foram publicados, nos meios impresso e digital - com a utilização de ferramentas de criação e edição, como Publisher e, atualmente, Scribus - sempre com o foco na valorização do Aprender pelo Fazer, desenvolvimento e firmação da capacidade leitora dos alunos, estímulo à expressão escrita, formação da cidadania, cultura geral, norma padrão da escrita como ponto de referência para a correção na produção de textos, desenvolvimento de habilidades para o uso de recursos tecnológicos na produção textual e na edição de imagens.

REFERÊNCIAS

FARIA, Maria Alice de Oliveira. Como usar o jornal na sala de aula. 10ª. ed., 2ª reimpressão. São Paulo: Contexto,  2009. 162p. (Repensando o Ensino).
FERNANDE, Jaiza Helena Moisés. Jornal da escola. Tudo de bom! Disponível em: <http://www.mundojovem.com.br/projetos-pedagogicos/projeto-como-criar-um-jornal-escolar>. Acesso em  09/03/2017.
FERRARI, Pollyana. Jornalismo Digital. 4ª ed., 1ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2012. 128p. (Comunicação).
NEVES, Iara Conceição Bitencourt. et al. (Orgs.). Ler e escrever: compromisso de todas as áreas. 7ª ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS,2006. 230 p. (Série Educação Continuada).
SANCHO, Juana María. et al. (Org.). Tecnologias para transformar a educação. Trad.: Valério Campos. Porto Alegre: Artmed, 2006. 200p.
SILVA, Mariane Éllen. Aprendendo a estrutura jornalística para construir o jornal da turma (aula). Disponível em: <http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html? aula= 20921>. Acesso em 09/03/2017.
________________. Texto jornalístico: importante veículo de comunicação e informação(aula). Disponível em: <http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula= 20920>. Acesso em 09/03/2017.

Profª Glauce Antunes e Prof. José Carlos Oliveira expõem o projeto Jornal Escolar aos alunos da Turma 803.
Alunos da Turma 803
Alunos da Turma 803 entrevistam um colega.
Exercício jornalístico: entrevista.
Sala de Informática Educativa: visualização de jornais digitais.

Edição: Prof. José Carlos Oliveira (Sala de Informática Educativa).

EJA: comemoração do Dia Internacional da Mulher

Os alunos da Educação de Jovens e Adultos do Liceu Escola Mestre Raimundo Cardoso comemoraram o Dia Internacional da Mulher, evento organizado pela Coordenação e pelos professores da EJA.
Após os pronunciamentos alusivos ao evento, houve sorteio de brindes aos alunos.





















Edição: Prof. José Carlos Oliveira (Sala de Informática Educativa).

sábado, 10 de março de 2018

O Papel da Informática Educacional

A Informática Educacional é um benefício que chegou com o intuito de facilitar o processo de ensino-aprendizagem ao mesmo tempo em que promove a inclusão dos alunos no mundo da tecnologia, fornecendo uma ferramenta altamente atrativa, pois é mais fácil “prender” a atenção dos educandos.
O saber e o conhecimento pedagógicos do professor são imprescindíveis para que o resultado seja satisfatório em relação ao efetivo aprendizado do aluno.
Por mais elaborada que seja a atividade, sabemos que a máquina jamais irá substituir o professor, porém, como ainda não existe capacitação em tecnologia para todos os profissionais que atuam na área da educação, é imprescindível a presença de um mediador de informática para solucionar problemas técnicos e para auxiliar o professor na criação de atividades específicas.
A Informática Educacional está à disposição de professores e alunos, sendo que as aulas no laboratório de informática devem ser a extensão das aulas ministradas em sala de aula.
Desta forma, o professor deve expor ao mediador de informática os conteúdos que deverão ser trabalhados, possibilitando, assim, a criação de atividades que atinjam a expectativa dele em relação ao trabalho que está sendo realizado em sala de aula, visando sanar as dificuldades enfrentadas por seus alunos.
A informática educacional aliada às práticas pedagógicas trabalha a leitura, a escrita, o raciocínio lógico, o cálculo mental ao mesmo tempo em que os alunos se familiarizam com os programas, aplicativos e softwares, sendo possível a aquisição de conhecimentos e desenvolvimento de habilidades tecnológicas.
É possível, ainda, utilizar materiais concretos e lúdicos em conjunto à informática educacional para que o aluno interiorize os conceitos que estão sendo transmitidos, pois especialmente durante os primeiros anos, na fase da alfabetização, os educandos interiorizam o conhecimento por meio do tato.
A Informática Educacional proporciona ao educando o aumento das possibilidades de desenvolvimento das habilidades educacionais, tornando as atividades realizadas pelo lúdico uma grande aliada no trabalho com a coordenação motora, desenvolvendo a atenção e o raciocínio lógico.
A Informática possibilita, ainda, a aquisição do conhecimento em relação à localização das letras no teclado e promove o correto manuseio do mouse.
Lucinéia Rodrigues - Licenciatura Plena em Pedagogia. 
Mediadora da Formaçãode Educadores do Município de Taboão da Serra.
Fonte: http://www.planetaeducacao.com.br/portal/artigo.asp?artigo=1896


Educação de Jovens e Adultos

Primeiro dia de aula do ano letivo 2018. Turma da 2ª Totalidade, regida pela professora Marluce Amaral.


Edição: Prof. José Carlos Oliveira (Sala de Informática Educativa).

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Soletrando: Favorecendo a Proficiência

O Soletrando é uma atividade inserida no projeto "Belém contada em verso e prosa", desenvolvido com alunos do Liceu Escola do ciclo II, que tem como objetivo, potencializar habilidades e estimular o interesse pela leitura e a concentração, favorecendo o desenvolvimento da escrita e da ortografia correta.

A atividade que é desenvolvida desde 2012, chega neste ano a sua 6º edição. As atividades tem inicio em sala de aula através de leituras e atividades variadas dos livros pré selecionados para cada ano, sendo que para este ano são: "O Jabutigão Amazônico", do escritor Luiz Peixoto Ramos; "Belém cidade das mangueiras", dos escritores Darcy e Ítalo di Paolo, bem como, obras da compositora e cantora paraense Dona Onete.

As fases do Soletrando são eliminatórias, em número de três, para que se conheça o/a representante da turma que participará da etapa final em que será conhecido o/a vencedor(a) do certame.

Mas não esqueça: No soletrando todos são vencedores, visto que, a cada etapa os participantes estão ganhando mais conhecimentos.








Edição: Prof. Lúcio Lima (Coordenador Pedagógico)*
Postado por: Prof. Lúcio Lima (Coordenador Pedagógico)